Ministério do Esporte Programa Esporte Sem Assédio combate violência e assédio a atletas brasileiras
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE
Ministério do
Esporte

 
Conheça os principais programas e ações do Ministério do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Programa Esporte Sem Assédio combate violência e assédio a atletas brasileiras

O Ministério do Esporte e a Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres (SPM) lançaram, na manhã desta quinta-feira (29.03), o programa Esporte Sem Assédio, uma iniciativa conjunta que tem o objetivo de prevenir e combater a violência e o assédio às atletas brasileiras, sejam amadoras ou profissionais.

Foto: Francisco Medeiros/MEFoto: Francisco Medeiros/ME

"O programa tem como finalidade chamar a atenção da sociedade para o assédio e a violência contra as mulheres. O Ministério do Esporte participa usando o esporte como um dos vetores dessa comunicação. Tivemos recentemente casos de assédio que se tornaram públicos e que chocaram o mundo", explicou o ministro do Esporte, Leonardo Picciani, durante a cerimônia realizada no Velódromo do Parque Olímpico da Barra, no Rio de Janeiro. "Temos o canal de denúncia, o Ligue 180, para que as mulheres possam denunciar, se informar e se proteger. A campanha é um recado àqueles que pretendem transgredir que essa transgressão não ficará sem resposta do poder público e da sociedade. O esporte se soma a esse movimento", acrescentou o ministro.

Leonardo Picciani. Foto: Francisco Medeiros/MELeonardo Picciani. Foto: Francisco Medeiros/ME

O Ligue 180 é a Central de Atendimento à Mulher da SPM, adotada como canal de denúncia tanto no Brasil como no exterior. Com o Esporte Sem Assédio, estão sendo realizados a capacitação dos atendentes para receber as denúncias de atletas, a criação e implementação de fluxo de assistência psicossocial e jurídica, o tratamento das informações recebidas por meio de indicadores padronizados e o monitoramento. O programa prevê, também, a efetivação de protocolo único entre o Ministério do Esporte, a SPM, o Conselho Nacional de Justiça e a Rede Nacional de Enfrentamento à Violência.

"Essa parceria nasceu porque é preciso falar sobre assédio no esporte. É uma coisa muito séria. Precisamos falar sobre isso e fazer com que as mulheres possam se sentir seguras para denunciar e para que possamos prevenir o assédio. Não podemos aceitar que muitas meninas se sintam tolhidas de praticar o esporte porque sentem medo de serem assediadas", afirmou a secretária Nacional de Políticas para Mulheres, Fátima Pelaes. A iniciativa faz parte do Brasil Mulher, estratégia de mobilização em rede lançada pelo Governo Federal.

"Falar sobre o assédio é importantíssimo - e no esporte não poderia ser diferente. Um ambiente saudável no esporte é um ambiente com profissionais comprometidos com a ética e com seus valores. Os clubes precisam, também, demonstrar que têm uma política clara quanto ao assédio. Esse programa integra ações para unirmos mulheres, homens e toda a sociedade", disse a ex-ginasta Luísa Parente, que participou das Olimpíadas de Seul 1988 e Barcelona 1992. Luísa faz parte da 2a Câmara do Tribunal de Justiça Desportiva Antidopagem, criado com o objetivo de julgar violações a regras internacionais antidopagem.

Presente à cerimônia, a nadadora Joanna Maranhão é ativa no combate a violências que crianças e jovens possam srofrer. "Fui vítima de abuso aos 9 anos pelo meu técnico da época e demorei muito para verbalizar. Estive em quatro Jogos Olímpicos, mas poderia não ter ido a nenhum se não tivesse o apoio psicológico e jurídico que tive. Muitas outras crianças não têm essa ajuda", contou a nadadora Joanna Maranhão, que esteve presente à cerimônia. "A iniciativa é super importante. Nos últimos anos, estamos abrindo portas para que as mulheres falem sobre o machismo e a violência que sofremos. Virão muitas histórias à tona. Ter coragem de verbalizar uma violência sofrida é viver ela de novo. Quando chegam pedindo provas e perguntando porque demorou tanto para falar, isso fere muito. É o momento de ter empatia pelas vítimas que têm coragem de contar suas histórias", acrescentou.

#EsporteSemAssédio

Sob a hashtag #EsporteSemAssédio, a campanha também está sendo veiculada em redes sociais, com engajamento de várias atletas, ex-atletas e personalidades do esporte. "Temos mobilização de várias das principais atletas do país. As mulheres - e também os homens - podem contribuir muito para que esse tema entre na ordem do dia da nossa sociedade para que possamos erradicar essa mazela", disse Picciani.

No próximo domingo (01.04), as federações de futebol do Rio de Janeiro, São Paulo e Pernambuco e os times envolvidos nas finais dos campeonatos estaduais vão divulgar o programa, com atletas utilizando faixas e camisetas da campanha durante a entrada em campo.

#Esporte sem Assédio #Esporte sem Assédio

Do Rio de Janeiro, Abelardo Mendes Jr - Ministério do Esporte
 

Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla