Ministério do Esporte Técnico da seleção feminina de futebol acerta últimos detalhes para estreia na Copa do Mundo sub 17
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE
Ministério do
Esporte

 
Conheça os principais programas e ações do Ministério do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Técnico da seleção feminina de futebol acerta últimos detalhes para estreia na Copa do Mundo sub 17

A seleção brasileira feminina de futebol sub 17 realizou nesta sexta-feira (30.09), no estádio King Abdullah II, em Amã, capital da Jordânia, o último treino antes do início da Copa do Mundo da categoria. O Brasil fará a estreia neste sábado (01.10), às 16h (10h de Brasília) contra a Nigéria, que está entre as favoritas da competição.

O técnico Luiz Antônio Ribeiro, o Luizão, garante que as atletas estão focadas e prontas para irem o mais longe possível, podendo conquistar o título mundial, o que seria um feito inédito. Para isso, ele conta com a ajuda da ex-jogadora Michael Jackson, coordenadora-geral de Futebol Profissional do Ministério do Esporte, e que atua como chefe da delegação brasileira no torneio.

Foto: CBFFoto: CBF

No entanto, o caminho do Brasil na fase de grupos não está nada fácil. Na segunda partida, as brasileiras encaram a Coreia do Norte e, em seguida, a Inglaterra. Para Luizão, o nível da Copa do Mundo será um parâmetro para medir a força da seleção nacional. “Nosso grupo (Grupo C) é um dos mais fortes. As seleções estão muito bem colocadas no ranking, como Coreia do Norte e Nigéria, e também a Inglaterra, que é uma força europeia. Temos um desafio muito grande”, analisou o técnico. “Acreditamos que se passarmos por essa fase, poderemos chegar longe. Nada melhor do que os desafios iniciais para vermos nossas reais condições”, prosseguiu.

Foto: Rafael Brais/MEFoto: Rafael Brais/MEO comandante da seleção brasileira explica que tudo foi planejado para a melhor adaptação das jogadoras ao fuso horário (seis horas a mais em Amã) e à culinária árabe. Segundo Luizão, essas medidas ajudam o melhor aproveitamento dentro de campo. “A Copa do Mundo é a competição máxima para todas as atletas envolvidas. Para nossas 21 jogadoras é uma situação inédita poder participar, poder se desenvolver no futebol, culturalmente”, afirmou. Para ele, a dinâmica do dia a dia de um Mundial é um aprendizado muito valioso para os participantes. “É um evento grandioso, em que nós temos que crescer junto com a competição e aprender algo a cada dia. Todos vamos sair daqui muito mais preparados”, comentou.

Além da Copa do Mundo, Luizão já traça uma estratégia para dar continuidade ao trabalho iniciado pelo ciclo do Mundial da Jordânia. “As atletas não vão só participar (da Copa), mas dar sequência. Temos que apoiar o trabalho delas nos clubes. É com experiência, com essa rodagem, participando de competições no Brasil, é que elas terão condições de estar nas próximas competições”, disse, apontando que algumas das meninas da seleção sub 17 deverão estar nas Olimpíadas de 2020 ou 2024.
 
Fator Rio 2016

O técnico comentou também que os Jogos Rio 2016 foram importantes para o futebol feminino, apesar de não ter conquistado medalha. Ele acredita que a seleção sub 17 também terá bastante apoio dos brasileiros, que deram um espetáculo durante as partidas nas Olimpíadas. “Após os Jogos Olímpicos, a população brasileira abraçou o futebol feminino. Ela se engajou e acreditou que o futebol feminino pode crescer. Com o começo da Copa do mundo e a transmissão dos nossos jogos, muitas pessoas vão torcer e apoiar”, disse.

Rafael Brais, de Amã (Jordânia)

Ascom - Ministério do Esporte

Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla