Ministério do Esporte Shirlene Coelho será a porta-bandeira do Brasil na Cerimônia de Abertura dos Jogos Paralímpicos
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE
Ministério do
Esporte

 
Conheça os principais programas e ações do Ministério do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Shirlene Coelho será a porta-bandeira do Brasil na Cerimônia de Abertura dos Jogos Paralímpicos

Na disputa com outros 17 atletas, a campeã mundial e paralímpica Shirlene Coelho teve 20% dos votos e foi eleita para ser a porta-bandeira brasileira na Cerimônia de Abertura dos Jogos Paralímpicos Rio 2016, que será realizada na quarta-feira (07.09), no Maracanã, no Rio de Janeiro. Esta é a primeira vez que uma mulher conduzirá a bandeira do Brasil.

Representante da maior equipe da delegação brasileira nas Paralimpíadas – o atletismo, com 61 atletas –, Shirlene conseguiu se eleger com uma forte concorrência. Ela ficou à frente do judoca Antônio Tenório (cinco medalhas em Jogos Paralímpicos) e do velocista Yohansson Nascimento (ouro nos 200m em Londres 2012).

Foto: Washington Alves/CPBFoto: Washington Alves/CPB

“Fico muito feliz por ter sido escolhida a porta-bandeira do Brasil, e mais feliz ainda por saber que eu sou querida pelos meus companheiros. Tenho uma ótima convivência com todos e acredito que isso e os meus resultados foram determinantes para eu ser premiada”, disse Shirlene, que representará o Brasil nas provas de arremesso de peso e lançamento de disco e dardo.

Recordista mundial e medalhista de prata (Pequim-2008) e de ouro (Londres-2012) no lançamento de dardo, a atleta foi escolhida por eleição aberta com a participação dos 286 atletas da delegação brasileira. Os candidatos foram indicados pelos chefes de missão e tinham como requisito a conquista de, pelo menos, um ouro paralímpico, e não podiam competir no dia seguinte da cerimônia.

Fonte: CPB
Ascom – Ministério do Esporte

Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla