Ministério do Esporte Instituto tem meta ambiciosa para desenvolver o tênis brasileiro nos próximos 20 anos
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE

 
Conheça os principais programas e ações do Ministério do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Instituto tem meta ambiciosa para desenvolver o tênis brasileiro nos próximos 20 anos

Foto: Divulgação/FacebookFoto: Divulgação/FacebookO tênis nacional deve passar por uma grande mudança nos próximos 20 anos. Com uma meta bastante ambiciosa, o Instituto Tênis pretende capacitar 54 atletas entre os 500 melhores do mundo, e entre eles, dez a 12 no topo do ranking. O objetivo é ousado se comparado à realidade brasileira da modalidade no momento atual. No ranking dos cem melhores do mundo aparece apenas uma atleta brasileira: Teliana Pereira, que ocupa a 94ª colocação entre as mulheres. Entre os homens, Thomaz Bellucci é o 125º.
 
“A participação dos brasileiros na prática da modalidade está em constante evolução”, afirma Cristiano Borrelli, diretor executivo do instituto. Reconhecido como centro de excelência no esporte de alto rendimento, o instituto pretende criar uma plataforma para formar jogadores profissionais bem capacitados aptos a se colocar diante desse projeto estratégico.
 
Segundo Cristiano, o projeto não seria viável sem os recursos da Lei de Incentivo ao Esporte (LIE). “Hoje, a parceria Instituto Tênis e Lei de Incentivo trabalha diariamente com pessoas competentes e capacitadas que acreditam num sonho, e também com as parcerias público-privadas institucionais necessárias. Esse é o caminho para que esse sonho se torne realidade”, disse.
 
Para se ter uma ideia do deficit de tenistas no Brasil, foi feita uma comparação com a prática da modalidade na Espanha e se constatou uma disparidade muito grande. Lá existem mil crianças, na faixa etária de 13 anos, no ranking; e 1,5 mil na faixa etária de 14 anos, praticando a modalidade. Para Borrelli, o Brasil precisa de uma base de 500 mil tenistas que jogam na praça, no clube e nas escolas, o que seria uma forma de aumentar o número de praticantes no país.
 
O Instituto Tênis vem desenvolvendo um trabalho sério com seus atletas. A tenista Letícia Vidal, de 17 anos, participou pela primeira vez do torneio de Wimbledon, que terminou no dia 6 de julho, em Londres. Além de Wimbledon, Letícia disputou outros dois grand slams juvenis: o Australian Open e Roland Garros.
 
Como 43ª no ranking juvenil ITF, Letícia tem como resultado este ano o título de simples e duplas da Copa Milo 2014, em Santiago, no Chile, e o torneio de duplas da Copa Argentina. Nas simples, Letícia foi derrotada na primeira rodada. Nas duplas, jogando ao lado da canadense Katherine Sebov, avançou para a segunda rodada.
 
Cleide Passos
Ascom – Ministério do Esporte
Acompanhe as notícias do Ministério do Esporte no Twitter e no Facebook
Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla