Ministério do Esporte Brasil conquista 20 medalhas no Campeonato Mundial de Canoa Polinésia, no Rio
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE

 
Conheça os principais programas e ações da Secretaria Especial do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Brasil conquista 20 medalhas no Campeonato Mundial de Canoa Polinésia, no Rio

Foto: DivulgaçãoFoto: DivulgaçãoO Brasil conquistou 20 medalhas – cinco delas de ouro –, na 16ª edição do Campeonato Mundial de Canoa Polinésia, na Lagoa Rodrigo de Freitas, zona sul do Rio de Janeiro. Os atletas nas categorias olímpica e paraolímpica disputaram as provas em três tipos de canoas – V1 (um competidor), V6 (seis competidores) e V12 (12 competidores) -, em diferentes idades e distâncias.

No quadro geral de medalhas, o Brasil ficou em quarto lugar, atrás do Taiti, campeão, Austrália, segunda colocada, com 18 medalhas (nove de ouro), e Havaí, terceiro lugar, com 26 medalhas (seis de ouro). No último dia de competição (17.08), os brasileiros subiram ao pódio nas provas de V6 1000 m, máster feminino e paracanoagem polinésia V6 1000 m misto, ao garantir prata nas duas modalidades.

Segundo Paulo Vieira, diretor de Incentivo e Fomento ao Esporte, “a canoa polinésia é uma modalidade da canoagem patrocinada com recursos da Lei de Incentivo ao Esporte, e será uma modalidade estreante nos Jogos Paraolímpicos de 2016, no Rio de Janeiro. O esporte foi muito utilizado como meio de transporte na Polinésia, sendo peça fundamental na colonização das ilhas do pacífico, entre elas Taiti, Havaí, Nova Zelândia e Ilha de Páscoa”, afirmou.

Com uma das maiores delegações, de 262 competidores, e com apenas 13 anos de prática da modalidade, o Brasil teve uma boa atuação. Berço da canoa polinésia, o Taiti conquistou o primeiro lugar do mundial, com 47 medalhas (31 de ouro). O campeonato reuniu cerca de 700 atletas convencionais e paraolímpicos, de 19 países. As cinco maiores delegações foram as de Brasil, com 262 atletas, Nova Zelândia, com 98, Havaí, com 93, Taiti, 75 e Austrália, com 37.

A equipe brasileira da CNCF, de Cabo Frio (RJ), formada por Dayone Rossi, Mariana Santa Rosa, Alisa Lalor, Alice Nassif, Patricia Demaria e Simone Rena já havia conquistado o ouro no V6 500m master, no sábado (16.08), e voltou a brilhar no V6 1000m master. As meninas do Brasil fizeram 5min37s61 e ficaram atrás apenas das australianas (5min36s).

“Estamos treinando para o mundial desde a metade do ano passado. Quando passamos em primeiro lugar na seletiva, vimos que poderíamos conseguir um resultado expressivo, que seria chegar às finais”, afirmou a capitã Dayone, que revelou o momento em que percebeu que poderia ir além dos objetivos iniciais.

“Quando passamos em primeiro na eliminatória do V6 500m, sentimos que era possível conquistar uma medalha. Acreditamos e conseguimos o ouro”, comemorou.

No último dia de prova (17.08), o desgaste físico foi o principal adversário das canoístas, já que, antes da final do V6 1000m master, a equipe teve de disputar a repescagem, além do V6 1500m open. “Precisamos de muita superação para buscar essa prata, pois o cansaço era grande. Sem essas provas anteriores, poderíamos ter conseguido o ouro”, disse Dayone.

Prata na paracanoagem
Feliz com a prata na paracanoagem polinésia V6 1000m misto (6min16s37), prova em que a Austrália sagrou-se campeã (5min33s48), o canoísta Caio Ribeiro, ouro no Mundial de Canoagem Velocidade e Paracanoagem de 2013, na Alemanha, elogiou o elevado nível técnico da competição.

“Foi bonito pela organização, as embarcações eram iguais, estavam muito boas. O nível técnico foi muito alto, todos os países vieram muito preparados. E o ambiente estava excelente. Todos felizes, até nos dias de chuva”, disse Caio, que formou a equipe de V6 mista com Marcelo Santos, Leonardo Ghisoni, Debora Benivides, Maria Vilella e Daniele da Costa.

No Mundial, Caio ficou ainda com o ouro no V12 500m misto e a prata no V1 200m LTA. Neste ano, os seus próximos compromissos são o Pan-Americano de Canoagem Velocidade, o Sul-Americano de Canoa Polinésia e o Campeonato Brasileiro.

Encerramento
O presidente da Federação Internacional da modalidade, Charles Villierme, afirmou que, de acordo com a tradição polinésia, o sol que brilhou no domingo no Rio serviu para indicar que o Mundial foi um sucesso. “Na tradição polinésia, quando o sol aparece no último dia é sinal de que as coisas foram muito bem”, lembrou.

O dirigente destacou ainda que todas as delegações estão satisfeitas com o mundial do Rio, o primeiro realizado na América do Sul. “Todos estão felizes, com a organização e por estarmos no Rio. A organização correu bem. É sempre necessário haver ajustes durante o evento, mas isso acontece em qualquer competição que organizamos”, finalizou.

O próximo Campeonato Mundial será em Sunshine Coast ,na Austrália, em 2016. No último dia de disputas, o bicampeão mundial na prova de C1 500m, Isaquias Queiroz, prestigiou o evento e fez entrega de medalhas.

Cleide Passos, com informações do Instituto Atitude no Esporte
Ascom – Ministério do Esporte
Acompanhe as notícias do Ministério do Esporte no Twitter e no Facebook

 

Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla