Ministério do Esporte Feira de Artesanato Indígena dita moda nos Jogos dos Povos Indígenas 2013, em Cuiabá
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE

 
Conheça os principais programas e ações do Ministério do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Feira de Artesanato Indígena dita moda nos Jogos dos Povos Indígenas 2013, em Cuiabá

Foto: Francisco MedeirosFoto: Francisco Medeiros

Trajes exóticos, pinturas extravagantes, roupas coloridas, adereços confeccionados com penas de pássaros ditaram a moda nos Jogos dos Povos Indígenas de Cuiabá. Todos esses produtos foram comercializados na Feira de Artesanato Indígena, que oferecia peças para todos os gostos, desde a mais simples até a mais sofisticada. A interação na arena Sucuri, onde eram realizadas as apresentações culturais, acontecia com muita espontaneidade, e com esses gestos estava consolidado o lema dos Jogos Indígenas 2013, o importante não é competir, e sim celebrar.

Na Feira de Artesanato, as pessoas se acotovelavam para disputar os produtos indígenas, distribuídos em 32 estandes. Eles eram oferecidos a preços populares, mas também podiam ser encontradas peças de maior valor, como o cocá, uma espécie de chapéu indígena, que dependendo do tipo de pena usado na confecção chegava a custar até R$ 500. Além das peças das etnias brasileiras, eram comercializados produtos confeccionados por etnias de outros países, como Equador e Bolívia.

Jovens, crianças, idosos e indígenas conversavam, explicavam os costumes de suas etnias, e assim os visitantes conheciam um pouco da vida dos descendentes dos primeiros habitantes do Brasil. Mas a interação não parava por aí, tanto os índios como os não-índios disputavam espaço para tirar fotografias, uma lembrança preferida pela maioria das pessoas que participavam do evento.

Outra lembrança muito procurada pelos visitantes, brasileiros e estrangeiros, era a tatuagem indígena. Ela podia ser feita por pessoas de várias etnias por valores baixos, mas tudo dependia muito da negociação com o tatuador, do tipo de tinta usada, e ainda dos desenhos a serem utilizados. As pessoas podiam optar por pequenas figuras ou por tatuagem até de corpo inteiro.

Neste sábado (16.11), último dia dos Jogos Indígenas, a feira está lotada e as pessoas aproveitam para fazer a pechincha. Pulseiras que custavam R$ 10,00 podiam ser compradas por R$ 5,00. Os artesãos indígenas aproveitavam a oportunidade para liquidar suas mercadorias e voltar pra casa com dinheiro no bolso.

 

Cleide Passos, de Cuiabá
Ascom – Ministério do Esporte
Acompanhe as notícias do Ministério do Esporte no Twitter e no Facebook

Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla