Ministério do Esporte Jogos dos Povos Indígenas serão realizados em Cuiabá no mês de novembro
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE

 
Conheça os principais programas e ações do Ministério do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Jogos dos Povos Indígenas serão realizados em Cuiabá no mês de novembro

O Ministério do Esporte anunciou para o período de 8 a 16 de novembro, no Jardim Botânico de Cuiabá, capital do Mato Grosso, a realização dos 12º Jogos dos Povos Indígenas. O evento havia sido previsto inicialmente para outubro, mas foi adiado em um mês para atender todas as especificações técnicas necessárias.

O secretário nacional de Esporte, Educação e Inclusão Social (Snelis), Ricardo Cappelli, divulgou a nova data na quarta-feira (18.09), durante reunião com representantes de embaixadas de 16 países. O encontro teve como objetivo definir detalhes da participação de líderes indígenas estrangeiros nos Jogos, em especial no Fórum Social Indígena.

A reunião com as embaixadas serviu para oficializar a participação internacional nos Jogos Indígenas. Canadá, México, Peru, Equador, Nicarágua, Estados Unidos, Guatemala, Austrália, França (Guiana Francesa), Bolívia e Venezuela mandaram representantes. Alguns países já indicaram os indígenas que irão a Cuiabá, e outros assumiram o compromisso de apresentá-los em breve.

Entre as autoridades presentes, estavam os embaixadores do Peru, Jorge Bayona, e do Equador, André Luiz Andrade, que confirmaram os nomes de seus representantes: os índios peruanos Wilfredo Chau e Nazário Quispe e os equatorianos Marlon Guallinga e Moi Enomenga.

Na oportunidade, o assessor internacional adjunto do Ministério do Esporte, ministro Vilmar Coutinho, destacou a importância da parceria com as embaixadas para viabilizar a primeira versão mundial dos Jogos Indígenas: "Entendemos que as lideranças internacionais que irão para Cuiabá construirão as seleções indígenas de seus países para participar dos Jogos Mundiais".

O conselheiro da Coordenação-Geral de Intercâmbio e Cooperação Esportiva do Itamaraty, Guilherme Cordeiro, também esteve presente e se comprometeu a agilizar a liberação de vistos aos indígenas visitantes. "Vamos submeter à avaliação do setor, no Ministério das Relações Exteriores, que sejam concedidos vistos de cortesia para que as lideranças internacionais possam participar dos Jogos", afirmou Cordeiro.

Parceria
Ao destacar o povo Bororo como etnia anfitriã dos Jogos Indígenas de 2013 e citar as riquezas naturais e culturais de Mato Grosso, o secretario de Esporte de Cuiabá, Ananias Filho, reafirmou o compromisso e a parceria da prefeitura, do governo estadual e da Universidade Federal (UFMT). "Estamos unindo esforços para realizar os melhores Jogos Indígenas da história. São 1.600 índios de 48 etnias nacionais e de 16 países."

Antes de apresentar vídeo com a dinâmica dos jogos e a expectativa para a edição de 2013, o diretor do Comitê Intertribal Memória e Ciência Indígena, Marcos Terena, comentou iniciativas como a realização de palestras com antropólogos e o projeto de segurança a ser desenvolvido na  cidade-sede, coordenado pelo Ministério da Justiça, para proteção das delegações.

   Carlos Terena, coordenador-geral dos Jogos dos Povos Indígenas, durante o anúncio da nova data do evento, que será realizado em Cuiabá

"Queremos trazer os parentes de outros países para somar e agregar valores culturais como, por exemplo, no artesanato, na comida e nas demonstrações esportivas tradicionais, sem esquecer  o conceito de jogos verdes", ressaltou o coordenador-geral do evento, Carlos Terena. Ele lembrou que, durante as competições, ninguém volta para casa de mãos vazias. "O vencedor e todos os guerreiros atletas ganham medalha de ouro feita com capim dourado. Já as delegações voltam para suas aldeias com troféus feitos com o mesmo material", conta, ao destacar que nos Jogos Indígenas o importante é celebrar.

Inovações
A diretora do Departamento de Desenvolvimento e Acompanhamento de Políticas e Programas Intersetoriais da Snelis, Andrea Everton, destacou o envolvimento do governo federal com os Jogos Indígenas e citou inovações para a edição deste ano, como a "Feira de Sementes" e a "Arca das Letras", que estimulam a agricultura e a literatura.

A gestora informou que o portal do Ministério do Esporte vai lançar nos próximos dias uma página especial, com informações da edição atual e a memória dos eventos anteriores. "Vamos solicitar aos países que nos encaminhem informações sobre a cultura tradicional de seus indígenas para que possamos divulgá-las."

Carla Belizária
Fotos: Francisco Medeiros e Ivo Lima
Ascom - Ministério do Esporte
Acompanhe as notícias do Ministério do Esporte no Twitter e no Facebook

Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla