Ministério do Esporte Com mensagem contra o preconceito, Jogos Parapan-Americanos começam em Lima
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE

 
Conheça os principais programas e ações da Secretaria Especial do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações:  (61) 3217-1875E-mail:O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Com mensagem contra o preconceito, Jogos Parapan-Americanos começam em Lima

Uma história de resiliência e amizade com um convite para quebrar o preconceito contra as pessoas com deficiência foi a mensagem transmitida ao mundo durante a cerimônia de Abertura dos Jogos Parapan-Americanos Lima 2019. Diante de um público de cerca de 50 mil pessoas que lotaram as arquibancadas do Estádio Nacional, os peruanos deram as boas-vindas aos 1.800 atletas das Américas, de 30 países, que irão buscar medalhas no megaevento. O secretário Especial do Esporte do Ministério da Cidadania, Décio Brasil, representou o governo brasileiro na cerimônia da noite desta sexta-feira (23.08).

Leomon Moreno, um dos melhores jogador do mundo no goalball, foi o porta-bandeira da delegação brasileira Foto: Ale Cabral/CPBLeomon Moreno, um dos melhores jogador do mundo no goalball, foi o porta-bandeira da delegação brasileira Foto: Ale Cabral/CPB

O Brasil foi a quinta nação a entrar no Estádio Nacional. O brasiliense Leomon Moreno, que completou 26 anos na última quarta-feira (21.08), liderou a festa verde e amarela. Carregando a bandeira nacional, o melhor jogador de goalball do mundo comandou a entrada da maior delegação no desfile dos Jogos Parapan-Americanos.

Leomon conta no currículo a medalha de ouro nos Jogos Parapan-Americanos de Toronto 2015 e bronze nos Jogos Paralímpicos Rio 2016 e prata nos Jogos de Londres 2012. Somam-se ainda dois títulos mundiais da modalidade: na Finlândia, em 2014, e na Suécia, em 2018.

Rompendo preconceitos

A cerimônia de abertura lembrou o passado e ressaltou aos presentes a importância dos valores do esporte na vida e na construção do futuro da sociedade. Ela contou com 436 artistas, entre voluntários e produção, em um espetáculo de 1h58min de duração. Hansel Cereza, responsável pela direção artística e cênica do evento, utilizou 50 artistas com deficiência, que desempenharam papeis de acrobatas, dançarinos e protagonistas.

A cerimônia contou com a presença do presidente do Peru, Martín Vizcarra, do presidente do Comitê Pan-Americano, Neven Ilic, e do presidente do Comitê Paralímpicos das Américas (CPA), Julie Dussliere. Décio Brasil representou o governo brasileiro no evento.

"Tenho muita satisfação de participar desta festa do esporte paralímpico. Tivemos excelentes resultados em outras ocasiões e aqui em Lima não será diferente. O governo federal colabora com o esporte paralímpico nacional dando condições ao atleta de ter um algo mais para levar adiante o treinamento e obter resultados", disse Décio Brasil. Ele lembrou que dos 315 atletas da delegação brasileira no Parapan, 261 (82,8%) são contemplados pelo programa Bolsa Atleta.

Foto: Douglas Magno / EXEMPLUS/CPBFoto: Douglas Magno / EXEMPLUS/CPB

 

 

Os artistas contaram uma fábula para mostrar que a diversidade e as diferenças são importantes para o desenvolvimento de uma sociedade. Assim, a direção artística da festa criou uma experiência ao transmitir novas sensações e abrir a consciência para quebrar as barreiras e alimentar um novo espírito de respeito e igualdade entre as pessoas.

 

No meio do Estádio Nacional foi construída uma replica do Obelisco, representando a cultura Chavín (1.200 a.c - 200 a.c). A escultura serviu como tela para projeções que mudavam o cenário durante as apresentações e danças. A banda Bareto, que criou a versão da música tradicional peruana chamada Cariñito, que se tornou o hino dos Jogos Pan-Americanos e Parapan-Americanos de Lima, encerrou a celebração do esporte paralímpico.

Delegação brasileira

A delegação verde e amarela busca em Lima manter a hegemonia nos Jogos Parapan-Americanos, já que liderou o quadro de medalhas nas três últimas edições: Rio 2007, Guadalajara 2011 e Toronto 2015. Para isso, o país terá a maior delegação de sua história: são 315 atletas, dos quais 261 (82,8%) são beneficiados pelo programa Bolsa Atleta da Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania. Eles vão disputar todas as 17 modalidades programadas.

No total, a delegação brasileira é composta por 512 pessoas, incluindo treinadores, comissão técnica, atletas-guia e equipe de apoio. Na história dos Jogos, os brasileiros já conquistaram 1.026 medalhas, sendo 445 de ouro, 310 de prata e 271 de bronze. Na última edição, em Toronto 2015, foram 257 pódios: 109 medalhas de ouro, 74 de prata e 74 de bronze. Para 2019, a meta é manter o desempenho, superando a barreira dos 100 ouros.

Com 315 atletas, o Brasil é a maior delegação dos Jogos 2019. Foto: Washington Alves/EXEMPLUS/CPBCom 315 atletas, o Brasil é a maior delegação dos Jogos 2019. Foto: Washington Alves/EXEMPLUS/CPB

 
Breno Barros, de Lima, Peru - Ascom - Ministério da Cidadania
Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla