Ministério do Esporte Secretário especial do Esporte conhece abrigos que acolhem imigrantes venezuelanos em Boa Vista
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE

 
Conheça os principais programas e ações da Secretaria Especial do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Secretário especial do Esporte conhece abrigos que acolhem imigrantes venezuelanos em Boa Vista

O trabalho desenvolvido pelo governo brasileiro para acolher os milhares de imigrantes venezuelanos que cruzam a fronteira, fugindo da crise econômica e política que atinge o país vizinho, foi conferido in loco pelo secretário especial do Esporte do Ministério da Cidadania, Marco Aurélio Vieira. Antes de ir a Cruzeiro do Sul (AC) para participar da inauguração do 16º Centro de Iniciação ao Esporte (CIE), o general Marco Aurélio conheceu na manhã desta sexta-feira (18.01), em Boa Vista (RR), três abrigos coordenados pelo Ministério da Cidadania e pelo Exército.

Foto: Breno Barros/Secretaria Especial do Esporte do Ministério da CidadaniaFoto: Breno Barros/Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania

Vivem atualmente na capital de Roraima 6.585 imigrantes venezuelanos. Desse total, 648 indígenas, na maioria da etnia Warao, estão acomodados em um abrigo no centro de Boa Vista. O Ministério da Cidadania e o Exército contam com a parceria do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) para oferecer alimentação, acompanhamento médico, escola para as crianças – que são metade dos indígenas acolhidos – e atividades esportivas, como vôlei e futebol.

“O esporte é fundamental para que os imigrantes, principalmente as crianças, tenham mais qualidade de vida neste momento difícil pelo qual estão passando”, destacou o secretário Marco Aurélio. Ele adiantou que pretende incorporar programas socioesportivos da Secretaria Especial ao dia a dia dos venezuelanos em Roraima.

Foto: Breno Barros/Secretaria Especial do Esporte do Ministério da CidadaniaFoto: Breno Barros/Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania

O tenente Lucas Cavalcante, comandante do abrigo, explicou que os primeiros indígenas venezuelanos chegaram a Boa Vista no fim de 2016, em busca de comida e de remédios. Foram resgatados das ruas pelo Poder Público e passaram a ser assistidos por voluntários de ONGs como Fraternidade Internacional, Visão Mundial e Médicos Sem Fronteiras.

“É gratificante ajudar uma população que é obrigada a deixar seu país para sobreviver. Toda a logística, como segurança, alimentação e saúde, é feita para a melhoria da vida deles. As crianças têm aulas de português, espanhol e warao, além de atividades esportivas, música, dança e pintura. Os adultos produzem artesanato, como flechas, colares, pulseiras e cestas”, afirmou o tenente, que chama todas as crianças pelo nome e passa suas horas de folga no abrigo, tamanha a relação criada com os imigrantes indígenas.

Foto: Breno Barros/Secretaria Especial do Esporte do Ministério da CidadaniaFoto: Breno Barros/Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania

Visita de embaixador

O secretário Especial do Esporte visitou também os abrigos Nova Canaã e Tancredo Neves. Comandante da unidade de Nova Canaã, que atende a 381 pessoas, o 1º tenente José Nilton de Matos apontou a necessidade de programas esportivos: “Não temos espaço adequado para a prática de esportes, que seria muito benéfica para as crianças. Mas ajudamos com escola, brinquedos e aulas de artesanato”.

No abrigo Tancredo Neves, o general Marco Aurélio encontrou o embaixador de Luxemburgo no Brasil, Carlo Krieger. “Estou fazendo visitas juntamente com representantes das Nações Unidas. Meu país apoia um importante projeto de auxílio a mulheres venezuelanas que cruzam a fronteira. Queremos contribuir com o Brasil nesse trabalho de ajuda humanitária”, disse o embaixador.

O coronel Moura Filho, coordenador do abrigo Tancredo Neves – 245 venezuelanos atendidos – apontou o processo de interiorização como fundamental para lidar com o problema: “Boa Vista e Roraima não têm estrutura para absorver milhares de imigrantes. Realizamos o ordenamento de fronteira, o acolhimento em abrigos e também desenvolvemos células de interiorização, inclusive com entrevistas em videoconferência para garantir empregos aos imigrantes. Já conseguimos levar 4.500 pessoas para outros estados”.

Foto: Breno Barros/Secretaria Especial do Esporte do Ministério da CidadaniaFoto: Breno Barros/Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania

Paulo Rossi, de Boa Vista (RR)

 
Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla