Ministério do Esporte Destaques nacionais do judô disputam Mundial Militar a partir desta quinta (8) no Rio de Janeiro
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE
Ministério do
Esporte

 
Conheça os principais programas e ações do Ministério do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Destaques nacionais do judô disputam Mundial Militar a partir desta quinta (8) no Rio de Janeiro

O 38º Campeonato Mundial Militar de Judô, que começa nesta quinta-feira (8.11) e segue até sábado (10.11) no Centro de Educação Física Almirante Adalberto Nunes (Cefan), no Rio de Janeiro, é mais uma chance para que medalhistas olímpicos e mundiais enfrentem grandes nomes internacionais da modalidade no decorrer do ciclo olímpico rumo aos Jogos Tóquio 2020.
 
Nesta edição do torneio, participam 150 judocas de 18 países: Brasil, Rússia, China, França, Sérvia, Polônia, Myanmar, Arábia Saudita, Chile, Cazaquistão, Catar, Síria, Ucrânia, Tunísia, Kuwait, Burquina Faso, Holanda e Eslovênia. O time brasileiro é representado por 18 judocas, nove homens e nove mulheres, que fazem parte do Programa de Incorporação de Atletas de Alto Rendimento às Forças Armadas Brasileiras (Paar) do Ministério da Defesa (MD).
 
Rafaela Silva foi a porta-bandeira do Brasil na cerimônia de abertura. Foto: Cristiane Rosa/Rededoesporte.gov.brRafaela Silva foi a porta-bandeira do Brasil na cerimônia de abertura. Foto: Cristiane Rosa/Rededoesporte.gov.br
 
Entre os destaques do Brasil estão a campeã olímpica Rafaela Silva (57kg/3ºSG-RM2-EP) e os vice-campeões mundiais David Moura (+100kg/3º SG-RM2-EP) e Maria Suelen Altheman (+78kg/3º SG-RM2-EP). Para Maria Suelen, que atualmente ocupa o quarto lugar no ranking mundial e terminou na quinta posição no Mundial de Baku, a expectativa para o mundial militar é manter o ouro nas equipes e chegar pela primeira vez ao lugar mais alto do pódio na disputa individual. Nas duas participações no campeonato, ela conquistou duas pratas no individual e um ouro por equipes. “Eu acho que estamos fortes para a competição. Tenho 10 anos de Seleção Brasileira, que acaba de passar por uma renovação e está muito bem, mas não é só o Brasil que evoluiu. O mundo inteiro evoluiu também. É uma oportunidade para lutar com atletas de altíssimo nível”, ressaltou.
 
Com oitos anos de Seleção Brasileira, vai ser a primeira disputa de David Moura no mundial militar. “Estou muito contente e motivado em conquistar um título nesse campeonato. Em 2017, fui vice-campeão mundial e terminei o ano como número 1 do ranking. Em 2018, em Baku, fui surpreendido na primeira luta por um atleta que eu não conhecia. É natural estudarem mais a gente quando estamos no topo, e aí os golpes deixam de ser uma surpresa. O desafio agora é tentar ser mais defensivo sem perder minhas características de ataque. Quero utilizar cada competição como material para estudar e melhorar cada vez mais”, diz.
 
Para a campeã olímpica Rafaela Silva, seja um campeonato militar ou um civil, a busca por um bom resultado acontece da mesma forma. “O mundial militar é mais uma oportunidade de treinar. E todos os torneios são importantes. Agora é manter o foco para encarar as próximas disputas e chegar bem em 2019 para garantir uma vaga olímpica”, conta.
 
Os destaques internacionais são Clarisse Agbegnenou, da França, atual vice-campeã olímpica e tricampeã mundial do peso meio-médio (63kg); Audrey Tcheumeo (78kg/FRA), também vice-campeã olímpica e campeã mundial; a cazaque Otgontsetseg Galbadrakh (48kg), medalhista de bronze no Rio 2016; Marie-Ève Gahié (70kg), da França, vice-campeã mundial em Baku, no Azerbaijão, neste ano; o iraniano Saeid Molaei (81kg), campeão mundial em 2018; Aleksandar Kukolj (90kg), da Sérvia, número 2 do mundo no ranking da Federação Internacional de Judô (FIJ); e Niaz Ilyasov (100kg), da Rússia, campeão mundial júnior e bronze no Mundial Sênior de Baku 2018.
 
Foto: Cristiane Rosa/Rededoesporte.gov.brFoto: Cristiane Rosa/Rededoesporte.gov.br
 
Abertura oficial
A cerimônia de abertura foi realizada nesta quarta-feira (07.11) e contou com mais de 300 participantes, entre militares, alunos das escolas públicas do Rio de Janeiro que fazem parte do Programa Forças do Esporte (Profesp), público em geral e autoridades, como o diretor Geral de Navegação, o Almirante de Esquadra Leonardo Puntel; o presidente da Comissão Desportiva Militar do Brasil, o general de Divisão Jorge Antônio Smicelato; o vice-presidente do Conselho Internacional do Esporte Militar (CISM) para as Américas, o coronel de Infantaria Walter Jander de Andrade; e o diretor-geral do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), o medalhista olímpico, Rogério Sampaio. Após o desfile das delegações, foi realizada uma apresentação da banda marcial do Corpo de Fuzileiros Navais.
 
A competição, que faz parte do calendário do CISM, é organizada pela Marinha do Brasil (MB) e realizada no Cefan sob a coordenação dos ministérios da Defesa e do Esporte do Brasil. O suporte técnico ao evento fica a cargo da Confederação Brasileira de Judô (CBJ) e da Federação de Judô do Estado do Rio de Janeiro (FJERJ).
 
Os campeonatos do CISM foram criados com o ideal de trazer soldados para os campos esportivos, além dos campos de batalha, em um espírito de paz, entendimento mútuo e amizade por meio do esporte. O Conselho foi criado na primavera de 1948, quase que imediatamente após o fim da Segunda Guerra Mundial, em um período que prevalecia a necessidade de reconciliação, reconhecimento mútuo e respeito à liberdade humana.
 
A última vez que o Brasil participou de um Campeonato Mundial Militar de Judô foi em Astana, no Cazaquistão, em 2013. Com 14 medalhas dentro de 15 possíveis, o País ficou em primeiro lugar no quadro geral. Foram seis medalhas de ouro, sete de prata e uma de bronze. Maria Portela (70kg) foi eleita melhor atleta da competição. 
 
Atletas brasileiros no Mundial Militar: 
 
Seleção Masculina
60kg - 3º Sgt Eric Takabatake
66kg - 3º SG Daniel Cargnin
66kg - 3º Sgt Charles Chibana
73kg - 3º Sgt Marcelo Contini
81kg - 3º Sgt Eduardo Yudy Santos
90kg - 3º Sgt Rafael Macedo
90kg - 3º Sgt Eduardo Bettoni
100kg - 3º Sgt Leonardo Gonçalves
+100kg - 3º Sgt David Moura
 
Seleção Feminina
48kg - 3º Sgt Gabriela Chibana
52kg - 3º Sgt Jéssica Pereira
57kg - 3º SG Rafaela Silva
57kg - 3º SG Tamires Crude
63kg - 3º Sgt Alexia Castilhos
63kg - 3º SG Yanka Pascoalino
70kg - 3º Sgt Ellen Santana
78kg - 3º Sgt Samanta Soares
+78kg - 3º SG Maria Suelen Altheman
 
 
PROGRAMAÇÃO:
 
Quinta-feira (8.11)
10h às 13h - Preliminares Equipes (masculino e feminino)
15h às 18h - Finais Equipes (masculino e feminino)
 
Sexta-feira (9.11)
Competições individuais (48kg, 52kg, 57kg, 60kg, 66kg e 73kg)
10h - Preliminares
15h – Finais
 
Sábado (10.11)
Competições individuais (63kg, 70kg, 78kg e +78kg, 81kg, 90kg, 100kg e +100kg)
10h - Preliminares
16h30 – Finais
 
 
Cristiane Rosa, do Rio de Janeiro
Ascom - Ministério do Esporte 
 
Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla