Ministério do Esporte Escola de Rondon (PA) é celeiro de jogadoras de handebol para os Jogos Escolares e para a Seleção Brasileira
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE
Ministério do
Esporte

 
Conheça os principais programas e ações do Ministério do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Escola de Rondon (PA) é celeiro de jogadoras de handebol para os Jogos Escolares e para a Seleção Brasileira

Rondon, município paraense com cerca de 50 mil habitantes, respira handebol. Há 10 anos consecutivos, escolas da cidade participam do torneio feminino para atletas de 15 a 17 anos dos Jogos Escolares da Juventude, organizados pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB). Um bom exemplo dessa hegemonia é a qualidade das goleiras reveladas pelo professor Antonio Fernandes, de 52 anos, um entusiasta do esporte. Depois de Geandra Rodrigues, que se destacou na maior competição escolar do país em 2011 e hoje defende o Pinheiros e a seleção brasileira principal, agora chegou a vez de Graziele Ribeiro dos Santos mostrar seu talento na principal competição estudantil do país.

Grazi disputa sua quinta edição dos Jogos Escolares pela Escola Estadual Dr. Dionisio Bentes Carvalho. Íntima da competição, a aluna atleta de 17 anos não pretende se despedir do evento na etapa regional, que está sendo disputada em Manaus (AM). Garantir uma vaga na etapa nacional, que acontece entre 12 e 25 de novembro, em Natal (RN), se tornou uma obsessão para todos da equipe.

Foto: Washington Alves/Exemplus/COBFoto: Washington Alves/Exemplus/COB


“Os Jogos Escolares são uma inspiração para a gente continuar treinando. Os Jogos me deram oportunidades para conhecer vários lugares, pessoas, sotaques diferentes. Além disso, incentiva a gente a treinar cada vez mais”, disse Graziele, fã da Geandra. “Quando eu comecei a treinar, ela ainda era jogadora de linha, mas quando se decidiu pelo gol, passou a se destacar ainda mais. Eu me espelho muito nela”, afirmou a atleta.

Graziele avisa que os Jogos Escolares nunca sairão da sua memória. As vitórias foram muitas, mas a derrota na final da segunda divisão do ano passado contra um colégio de Minas Gerais também realmente marcou a sua vida.

“Até hoje sonho com aquele jogo. A gente ganhava a final por três gols faltando três minutos para o fim quando a nossa principal jogadora (Vânia Nogueira) se machucou e deixou a quadra chorando. Nosso time inteiro sentiu o baque. Ela era a mais velha, a mais experiente e no fim perdemos o jogo na prorrogação. Mas o esporte é assim, de vitórias e derrotas e estamos aqui novamente. Quem sabe não chegou a nossa hora”.

Outro destaque da cidade paraense que disputou os Jogos Escolares e se tornou jogador profissional de handebol é Jonas Alves, atleta de 19 anos e 2,00m, que já passou pelo Sport Recife e Juiz de Fora e hoje defende o Porto, de Portugal.

Na manhã desta quinta-feira (20) a equipe da Escola Estadual Dr. Dionisio Bentes Carvalho, de Rondon do Pará, venceu o CETI Manuel Vicente, de Coari (AM), por 31 x 13 e estreou com vitória no grupo A do torneio feminino, categoria 15 a 17 anos, dos Jogos Escolares da Juventude. Sexta-feira, o time paraense encara a Escola Estadual 13 de maio, de Mato Grosso, no ginásio Zezão, com entrada franca.

Os Jogos Escolares da Juventude são organizados e realizados pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB), correalizados pelo Ministério do Esporte e Grupo Globo, com patrocínio da Coca-Cola e parceria do Governo do Estado do Amazonas.

Fonte: Comitê Olímpico do Brasil
 

Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla