Ministério do Esporte Comissão Nacional de Atletas quer ampliar representatividade de esportistas nas confederações
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE
Ministério do
Esporte

 
Conheça os principais programas e ações do Ministério do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Comissão Nacional de Atletas quer ampliar representatividade de esportistas nas confederações

O ministro do Esporte, Leonardo Picciani, participou nesta quinta-feira (15.03) no Parque Olímpico da Barra, no Rio de Janeiro, de reunião da Comissão Nacional de Atletas (CNA), órgão vinculado ao ministério, em que foram debatidas políticas públicas voltadas ao setor esportivo. O tema central do encontro girou em torno do aumento da representatividade dos atletas nas confederações brasileiras das diversas modalidades praticadas no país, a exemplo do que aconteceu recentemente no Comitê Olímpico do Brasil (COB), cujo número de esportistas integrantes de sua assembleia pulou de um para 12. 
 
A CNA, presidida por Arthur Antunes Coimbra, o Zico, defende que 1/3 do corpo votante de cada confederação seja composto por atletas. Além disso, a comissão reivindica a possibilidade de indicação de suplentes para os atletas integrantes do COB, quando esses não puderem estar presentes nas assembleias do comitê.Foto: Francisco Medeiros/MEFoto: Francisco Medeiros/ME
 
Atento aos pleitos da CNA, Picciani disse que o Ministério do Esporte publicará nova portaria justamente contemplando essa maior representatividade dos atletas nas entidades esportivas. “Demos um significativo passo ao conseguirmos que o COB alterasse seu estatuto e aumentasse o número de atletas integrantes na sua assembleia. Agora, vamos ampliar isso aos outros entes do esporte”, anunciou o ministro.
 
Picciani aproveitou a oportunidade para falar sobre outros importantes avanços obtidos desde que assumiu a pasta do Esporte, tais como a consolidação da Bolsa Pódio e da Bolsa Atleta, a criação da Portaria 341 limitando os gastos com despesas administrativas pelas confederações e priorizando o uso de recursos federais em investimento nos atletas, a ampliação do legado olímpico e de projetos de inclusão social por meio do esporte e a reaquisição de conformidade da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem  (ABCD) junto à Wada (Agência Mundial Antidoping), entre outras conquistas.
 
“Espero que a CNA e o Conselho Nacional do Esporte (CNE) sigam funcionando de forma autônoma. Eles trouxeram grandes contribuições aos avanços que obtivemos nas políticas públicas direcionadas ao esporte brasileiro”, salientou Picciani
 
Moção de agradecimento
Integrante da comissão, o velejador Lars Grael sugeriu uma moção de agradecimento ao ministro pela contribuição à CNA e ao esporte como um todo, sendo aprovada por unanimidade. Participaram da reunião ex-atletas que ajudaram a escrever parte da história esportiva do país, como a ex-jogadora de basquete Hortência, o ex-campeão de surfe Rico de Souza, a ex-ginasta Luísa Parente, o ex-jogador de vôlei Rui Nascimento e o ex-ginasta Mosiah Rodrigues.
 
“Esperamos que o ministro siga apoiando o esporte no seu retorno ao parlamento. Precisaremos do seu engajamento nesta nossa luta por uma maior representatividade dos atletas nas decisões sobre o destino do esporte no Brasil”, comentou Lars. O ministro respondeu positivamente: “Vocês e os atletas seguirão contando comigo. O esporte precisa ser visto como um setor fundamental, tanto no apoio ao esportista de alto rendimento quanto nas ações voltadas à questão educacional e social”, observou Picciani. 
 
A reunião da CNA tratou ainda de temas como o esporte na escola e o apoio da comissão à criação do E-Museu Nacional do Esporte. No primeiro caso, foi unânime a posição de que o esporte hoje está relegado a segundo plano nas escolas e que precisa voltar a ter a importância de outrora. “Na minha época de estudante, o esporte era levado a sério nas escolas e até reprovava. O incentivo à prática esportiva é fundamental para as crianças e os jovens em todos os aspectos”, destacou Hortência.
 
Quanto ao E-Museu, todos se mostraram simpáticos à ideia, mas a CNA aguarda a apresentação de um plano de viabilidade, com garantia do Ministério do Esporte e da Lei de Incentivo ao Esporte.
 
Marco Senna, do Rio de Janeiro
Ascom – Ministério do Esporte
Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla