Ministério do Esporte Com recursos assegurados pelo Ministério do Esporte, Brasil disputa Surdolimpíadas, na Turquia
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE
Ministério do
Esporte

 
Conheça os principais programas e ações do Ministério do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Com recursos assegurados pelo Ministério do Esporte, Brasil disputa Surdolimpíadas, na Turquia

Foi publicado nesta quinta-feira (06.07), no Diário Oficial da União, um extrato de termo de fomento que assegura a participação da delegação brasileira no 2017 Summer Deaflympics, que serão disputados entre 18 de julho e 30 de julho de 2017, em Samsun, na Turquia

O Summer Deaflympics, ou Surdolimpíadas de Verão, em tradução livre para português, é a versão dos Jogos Olímpicos de Verão exclusivos para competidores com deficiência auditiva (perda bilateral a partir de 55dB). O evento, organizado pelo International Committee of Sports for the Deaf (ICSD), é disputado a cada quatro anos e terá sua vigésima terceira edição em 2017.

Foram disponibilizados pelo Ministério do Esporte R$ 1,5 milhão para o pagamento de diárias e passagens da delegação nacional, que terá 75 atletas, 17 membros da comissão técnica, 9 pessoas de apoio e 7 profissionais de saúde no time brasileiro. No total, os atletas disputam 21 modalidades nas Surdolimpíadas. O Brasil disputará provas de atletismo, badminton, ciclismo, futebol, handebol, judô, caratê, natação, taekwondo, tênis de mesa e luta olímpica.

O ex-jogador de vôlei XandóO ex-jogador de vôlei Xandó

Coordenador das seleções brasileiras de vôlei da Confederação Brasileira de Desportos de Surdos (CBDS), técnico da equipe masculina e assessor da CBDS, o ex-jogador de vôlei Xandó, medalha de prata com a equipe de vôlei nos Jogos Olímpicos de Los Angeles 1984, comemorou a iniciativa do Ministério do Esporte em apoiar a participação dos atletas brasileiros nas Surdolimpíadas.

“Essa é a primeira vez que o Ministério do Esporte enxergou o esporte de surdos como algo importante. Nossa participação nas Surdolimpíadas é relevante primeiro porque representa o país e a marca de do Brasil é o mais importante em qualquer situação”, avaliou Xandó.

“O esporte de surdos não é reconhecido por nós brasileiros devido ao fato de que a nossa legislação atende apenas esportes olímpicos e paralímpicos e o esporte de surdos não se enquadra em nenhuma dessas categorias. Com isso, nós sempre tivemos dificuldades para conseguir recursos junto ao Ministério do Esporte. Nossos projetos sempre foram via Lei de Incentivo e agora, pela primira vez, o ministério abraçou um projeto da CBDS. Nós inclusive temos participação na Comissão Nacional de Atletas (CNA), com a Débora Souza, e isso é um avanço enorme”, prosseguiu o representante da CBDS.

História

Entre 1924 e 1965, as Surdolimpíadas foram inicialmente chamadas Jogos Internacionais Silenciosos. De 1966 a 1999, a competição adotou outra nomenclatura: Jogos Mundiais Silenciosos e, desde 2000, adota-se o nome Surdolimpíadas.

A primeira Surdolimpíada de Verão foi realizada em 1924, em Paris. Nesta época, havia 145 atletas, de nove países europeus, que participam de disputas em sete modalidades: atletismo, ciclismo, saltos ornamentais, futebol, tiro, natação e tênis. Já a primeira Surdolimpíada de Inverno foi realizada em Seefeld (Áustria), em 1949, com 33 atletas, de cinco países.

O número de participantes nas Surdolimpíadas de Verão e de Inverno vem aumentado rapidamente nas últimas edições. Em 2013, 2.711 surdoatletas, de 83 países, participaram do 22º Summer Deaflympics, em Sofia, na Bulgária. E, em 2015, 336 surdoatletas, de 27 países, disputaram o 17º Winter Deaflympics, em Khanty-Mansiysk, na Rússia.

O Comitê Olímpico Internacional (IOC ) reconhece o ICSD desde 1955 como entidade máxima desportiva internacional para surdos. Em nível internacional, o IOC confirma que o ICSD detém um status independente por não fazer parte do IPC – Comitê Paralímpico Internacional. Esta independência foi procurada e aceita por todas as partes envolvidas (IOC, IPC e ICSD), confirmada no início de 1996, tendo em conta a natureza específica da deficiência auditiva. Portanto, observa-se que o IPC e o ICSD são organizações independentes, reconhecidas pelo IOC.

Luiz Roberto Magalhães – Ministério do Esporte
 

 
 
 
Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla