Ministério do Esporte Brasil em contagem regressiva para o Mundial Masculino de Handebol
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE
Ministério do
Esporte

 
Conheça os principais programas e ações do Ministério do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Brasil em contagem regressiva para o Mundial Masculino de Handebol

O Campeonato Mundial masculino de handebol está próximo e o técnico da seleção brasileira, Washington Nunes, ainda tem que apresentar suas "armas" para vencer os adversários em janeiro, na França, incluindo os donos da casa, logo na estreia. Mesmo ainda sem ter divulgado os 16 nomes que irão compor a equipe, alguns deles formam a base da seleção verde e amarela e são quase presença garantida. 
 
Divulgação/CBHb
 
Uma dessas presenças é a do armador direito, José Guilherme de Toledo. Único do elenco que disputou os Jogos Olímpicos incluído na fase de treinamento, que está sendo realizado em São Bernardo do Campo (SP), o atleta, que atua no clube polonês Orlen Wisla Plock, já tem grandes expectativas para o principal desafio de 2017. 
 
"Acho que temos um bom time que pode cada vez mais fazer coisas melhores internacionalmente. Antes, na seleção, a maioria jogava fora, mas agora quase todos jogam, então, as expectativas são muito boas, claro, isso somado a muito treino com a seleção", destacou Zé. 
 
O Brasil abre a competição no dia 11, em Paris, contra os franceses e tem ainda no grupo A Polônia, Rússia, Japão e Noruega. É, definitivamente, um dos grupos mais complicados da disputa.
 
"No Mundial caímos em uma chave muito difícil, mas sempre acreditamos. Podemos certamente nos classificar para as oitavas de final. Com toda certeza, jogar contra os donos da casa pesa um pouco, ainda mais com a França, que é uma Seleção de muita experiência, mas estaremos lá e lutando, sempre acreditando que podemos", afirmou o jogador, lembrando que o Brasil fez bonito diante dos franceses nas quartas de final dos Jogos Olímpicos Rio 2016 e manteve a partida equilibrada do início ao fim. 
 
Depois da França, o Brasil joga em Nantes, no dia 14, com a Polônia, no dia 15 com o Japão, no dia 17 com a Noruega e no dia 19 com a Rússia. Antes de chegar à França, no dia 9 de janeiro, disputa um torneio amistoso na Suíça ao lado dos donos da casa, Eslováquia e Romênia, com treinamentos a partir do dia 3.
 
 
 
Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla