Ministério do Esporte Com a Copa do Mundo batendo à porta, Hugo Calderano afirma: "É muito bom jogar um torneio tão importante"
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE
Ministério do
Esporte

 
Conheça os principais programas e ações do Ministério do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Com a Copa do Mundo batendo à porta, Hugo Calderano afirma: "É muito bom jogar um torneio tão importante"

Divulgação/CBTMDivulgação/CBTM
Após a grande campanha nos Jogos Olímpicos Rio 2016, quando chegou às oitavas de final da disputa individual, Hugo Calderano terá uma nova oportunidade de ter sucesso com a camisa verde e amarela e mostrar o motivo de ser um dos grandes nomes do tênis de mesa na atualidade. Brasileiro mais bem colocado no ranking mundial, ocupando a 31ª colocação, o jovem participará da Copa do Mundo da modalidade, que começará neste sábado e contará ainda com atletas como o alemão Dimitrij Ovtcharov, o bielorrusso Vladimir Samsonov, o português Tiago Apolonia, entre outros. 
 
"É muito bom jogar um torneio tão importante, com grandes jogadores e eu vou dar o meu melhor para fazer uma grande competição", disse, em entrevista ao site da Federação Internacional de Tênis de Mesa (ITTF).
 
Apesar da pouca idade - Hugo tem apenas 20 anos - e do destaque que vem ganhando a cada dia, o brasileiro, que será o único representante sul-americano no torneio, afirma não sentir nenhum tipo de tensão, mas lembra que esta é uma das partes inerentes ao esporte e que pode fazer os atletas melhorarem ainda mais. "Eu não sinto qualquer pressão. Estou praticando bastante e estou confiante de que vou chegar onde eu quero. Se algum dia houver pressão sobre mim, eu vou aproveitá-la, porque isso é parte do esporte e pode nos ajudar a ficar ainda mais fortes"
 
Depois da Rio 2016, onde derrotou o cubano Andy Pereira, o sueco Par Gerell (32º, à época) e Tang Peng, de Hong Kong (16º, à época), Calderano saltou da 54ª posição no ranking para a 31ª, tornando-se o melhor latino-americano da história da modalidade. O brasileiro despediu-se dos Jogos Olímpicos após derrota para o japonês Jun Mizutani, que terminou com o bronze: "Foi, definitivamente, um grande salto e que me deu muita motivação, especialmente por ter sido fruto da boa campanha nos Jogos Olímpicos".
 
Acompanhar de perto as boas atuações do jovem fez com que o interesse pelo tênis de mesa aumentasse no Brasil, o que emociona Calderano. "Após as Olimpíadas, senti que muitos brasileiros ficaram interessados no tênis de mesa, começaram a seguir a minha carreira e até mesmo a praticar o esporte! Foi um bom momento para mostrar como nossa modalidade é interessante e emocionante", finalizou.
 
A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa conta com recursos da Lei Agnelo/Piva (Comitê Olímpico do Brasil e Comitê Paralímpico Brasileiro) – Lei de Incentivo Fiscal e Governo Federal – Ministério do Esporte.
 
Ascom – Ministério do Esporte
Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla