Ministério do Esporte A mais incontestável das hegemonias paralímpicas é brasileira: tetra no futebol de cinco
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE
Ministério do
Esporte

 
Conheça os principais programas e ações do Ministério do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

A mais incontestável das hegemonias paralímpicas é brasileira: tetra no futebol de cinco

Danilo Borges/Brasil2016.gov.brDanilo Borges/Brasil2016.gov.br
Se existe um Dream Team na história dos Jogos Paralímpicos, a seleção brasileira de futebol de cinco é forte candidata ao posto. O time nacional conquistou, no início da noite deste sábado, o almejado ouro em casa ao bater a seleção do Irã por 1 x 0. Ricardinho foi o autor do gol do título, aos 12 minutos do primeiro tempo.
 
A vitória consolida uma inquestionável hegemonia. Desde que a modalidade passou a fazer parte do programa paralímpico, nos Jogos de Atenas, em 2004, o Hino Nacional tocou em todas as cerimônias de premiação. Desde a Grécia, o Brasil soma 15 vitórias e seis empates. Não sabe o que é derrota. Foram 41 gols marcados e apenas quatro sofridos.
 
"É trabalho, humildade, simplicidade. Só quem está aqui dentro vê a dificuldade que é. Esse é o quarto ouro em Paralimpíada, mas sempre é difícil. Em 2004, a final foi nos pênaltis contra a Argentina. Em 2008, viramos contra a China, na casa deles, no finalzinho. Em 2012, outra disputa de pênaltis com a Argentina na semifinal”, listou o técnico Fábio Vasconcelos.  "É um detalhe, são jogadores que decidem. E hoje a humildade. Fizemos o gol e fomos lá para trás. O que vale é o campeonato”, completou. 
 
No Rio de Janeiro, o caminho incluiu vitórias sobre Marrocos (3 x 1), Turquia (2 x 0) e um empate com a própria seleção do Irã, por 0 x 0. Na semifinal, a Seleção venceu a China, de virada, por 2 x 1, com dois golaços de Jefinho.  "A cada competição é diferente. É maravilhoso estar aqui, dentro do país, ouvindo o grito da torcida, chamando o nosso nome. Final é sempre tenso. A gente já esperava isso", afirmou Jefinho. 
 
A última derrota do Brasil em um torneio oficial completará 10 anos em 30 de novembro deste ano. Foi em 2006, em Buenos Aires, quando a seleção perdeu para os donos da casa por 1 x 0 na final do Campeonato Mundial. O confronto contra os argentinos era aguardado por todos no Rio 2016, mas o Irã impediu que o clássico sul-americano se repetisse ao vencer os argentinos nos pênaltis na outra semifinal, por 2 x 1, após empate sem gols no tempo normal.
 
Até por isso, na decisão, o time nacional sabia que teria pela frente uma equipe difícil. Principalmente com uma defesa bem postada. Durante toda a campanha, o Irã marcou apenas dois gols, na vitória contra Marrocos. Fora isso, foram três empates por 0 x 0. A tática dos persas, entretanto, perdeu a consistência aos 12 minutos de jogos, quando Ricardinho, um dos destaques brasileiros, fez bela jogada pela esquerda do ataque, avançou em diagonal pela defesa e chutou forte, rasteiro, sem chances para o goleiro Meysam Ojaeiyan. "A gente sabe que o goleiro do Irã é alto e bom. Por isso tínhamos a orientação de chutar rasteiro. Quando entrei driblando, arrisquei e foi só alegria", comentou Ricardinho.  
 
Danilo Borges/Brasil2016.gov.brDanilo Borges/Brasil2016.gov.br
 
Silêncio custoso
Acostumado ao ambiente de estádio de futebol convencional, o público brasileiro que compareceu à arena do Centro Olímpico de Tênis deu trabalho para a organização. O futebol de cinco, praticado por deficientes visuais, exige silêncio das arquibancadas. Isso porque a bola tem um guizo interno, que sinaliza a posição exata para os jogadores. Em vários momentos, o locutor oficial pedia silêncio, principalmente quando os atletas brasileiros se aproximavam da meta iraniana ou chutavam a bola perto do gol.
 
"Eles não nos atrapalham. Na verdade, é inesquecível. Vocês não tem ideia do que é jogar em silêncio e de repente ouvir aquela explosão no gol. Já sou tricampeão paralímpico, mas esse título é diferente. Jogamos em casa, com a torcida a favor. É muito especial, principalmente porque eu venho de uma história difícil, de uma lesão grave. Passei por uma cirurgia por uma fratura na fíbula. Tive 15 dias de treino com a equipe, ainda tenho dor quando jogo. A confiança fica meio abalada”, afirmou Ricardinho, autor do gol do título. 
 
Gustavo Cunha - brasil2016.gov.br
Ascom – Ministério do Esporte
Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla