Ministério do Esporte Daniel Dias leva ouro nos 50m costas e aumenta coleção para 22 medalhas em Jogos Paralímpicos
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE
Ministério do
Esporte

 
Conheça os principais programas e ações do Ministério do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Daniel Dias leva ouro nos 50m costas e aumenta coleção para 22 medalhas em Jogos Paralímpicos

André Motta/ brasil2016.gov.brAndré Motta/ brasil2016.gov.br
Mais uma noite de coroação para o principal nome da natação paralímpica brasileira. O Estádio Aquático, no Parque Olímpico da Barra, foi palco de mais um espetáculo de Daniel Dias nesta sexta-feira (16.09). Empurrado pela torcida, o brasileiro conquistou o tricampeonato paralímpico nos 50m costas S5 e aumentou a sua coleção de medalhas, ampliando para 22 em Jogos, das quais sete foram conquistadas no Rio de Janeiro: três ouros, três pratas e um bronze.
 
Daniel Dias está a um pódio de igualar o australiano Matthew Cowdrey, maior vencedor da história da natação Paralímpica, com 23 medalhas. O brasileiro entra mais duas vezes na piscina nos Jogos Rio 2016. Neste sábado (17.09), último dia de provas, ele disputa os 100m livre S5 e pode fazer parte do revezamento 4 x 100m medley 34 pontos. Se subir ao pódio nas duas oportunidades, ele se tornará o maior medalhista da história da natação paralímpica.
 
Atual recordista mundial da prova, com 34s95, Daniel Dias conquistou o tricampeonato nos 50m costas S5 com o tempo de 35s40. A prata ficou com o britânico Andrew Mullen, com 37s94, e o bronze com o húngaro Zsolt Vereczkei, com 38s92. "Sou campeão dessa prova nos três ciclos (Pequim, Londres e Rio). É algo incrível e que vai marcar para sempre a minha carreira, ainda mais depois de toda essa torcida", disse Daniel.
 
No momento da largada, um torcedor gritou na arquibancada e desconcentrou os atletas. “Acredito que tenha atrapalhado todos nós. Afinal, naquele momento nós estávamos 100% concentrados na prova e depois tivemos que voltar para o foco novamente. Pelo que fiz no aquecimento, acredito que dava para o meu tempo chegar próximo ao meu recorde mundial”, disse Daniel Dias.
 
André Motta/ brasil2016.gov.brAndré Motta/ brasil2016.gov.brFinais do dia
Ronystony Cordeiro foi o primeiro brasileiro a entrar na piscina. Ele terminou a prova dos 50m costas S4 em sétimo, com o tempo de 50s84. A prova foi vencida por Arnost Petracek, da República Tcheca, com 43s12. O segundo lugar ficou com o chinês Yuntao Liu, em 45s01 e o terceiro com o mexicano Hernandez Jesus, com 45s30.
 
"Disputar uma final paralímpica não é para qualquer um. É gostoso encarar os Jogos em casa. A prova não foi o que eu esperava. Não consegui fazer o meu melhor, entrei com muita adrenalina e terminei abaixo do esperado", analisou Ronystony.
 
O nadador volta a competir novamente neste sábado (17.09). Ele vai encarar os 50m livre, prova sem baterias classificatórias, com os atletas avançando direto para a final. "É gratificante participar de um evento tão grandioso como esse, disputar em casa, ter essa torcida. Não tem quem não se emocione. Entrei hoje com o coração na boca, fé e força nos braços para fazer o melhor", completou o atleta.
 
Na prova feminina dos 50m S4, Edenia Garcia terminou na sétima colocação, com 55s50. A prova teve dobradinha chinesa, com Jiao Cheng, 48s11, e Yue Deng, com 50s01. A atleta Maryana Verbova, da Ucrânia, completou o pódio, em 52s28.
 
Nos 100m livre S13, Carlos Farrenberg ficou na quinta colocação, com 53s81. O título paralímpico da prova ficou com o bielorrusso Ihar Boki, com 50s90. Os atletas da Ucrânia Iaroslav Danysenko e Maksym Veraksa levaram a prata e o bronze, respectivamente (52s40 e 52s77).
 
"Gostaria de ter nadado melhor os 100m. Tentei mudar a estratégia na parte da tarde, mas não deu certo. Estou bem feliz, principalmente pela prova dos 50m. Nadei aqui no Rio duas vezes com os meus melhores tempos. No contexto geral, a minha participação foi positiva", avalia Farrenberg, que conquistou a medalha de prata nos 50m livre S13.
 
Professor de educação física, Carlos conheceu o esporte paralímpico na universidade. Ele entrou na seleção em 2005 e, no Rio, chegou à terceira Paralimpíada. "Cheguei a jogar goalball em Santos e o professor me inscreveu para competir no campeonato brasileiro de deficientes visuais. A partir daí comecei a competir, a bater recordes brasileiros", disse.
 
Outros brasileiros
Na manhã do penúltimo dia de provas da natação, o Brasil contou com 11 atletas na fase classificatória. Ítalo Pereira terminou em 13º na disputa dos 100m livre S7. Lucas Mozela ficou em 9º e Andrey Garbe em 10º nos 100m costas S9. Camille Rodrigues bateu em 12º nos 100m costas S9. Nos 50m livre S8, Gabriel Souza terminou em 11º. E nos 100m livre S13, Thomaz Matera terminou em 14º e o Guilherme Batista em 19º.
 
Abelardo Mendes Jr e Breno Barros - brasil2016.gov.br
Ascom - Ministério do Esporte
Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla