Ministério do Esporte A “prata mais dourada da vida” de Mateus Evangelista no Engenhão
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE
Ministério do
Esporte

 
Conheça os principais programas e ações do Ministério do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

A “prata mais dourada da vida” de Mateus Evangelista no Engenhão

Marcio Rodrigues/MPIX/CPBMarcio Rodrigues/MPIX/CPB
O Engenhão assistiu, na manhã desta terça-feira (13.09), a uma das mais impressionantes conquistas do atletismo brasileiro nos Jogos Paralímpicos Rio 2016. Com direito a quebra de recorde mundial no segundo salto, com 6.53m – marca que foi batida logo em seguida pelo chinês Guangxu Shang, campeão da prova com 6.75m –, o brasileiro Mateus Evangelista ficou com a prata no salto em distância classe T37 (paralisados cerebrais). O rondoniense, que há pouco mais de um ano fraturou o fêmur em um treinamento e teve que ser submetido a uma cirurgia, chegou a colocar em dúvida a possibilidade de seguir no esporte.
 
“Eu pensei que a minha carreira como atleta tinha acabado. Foi um trabalho espetacular junto aos meus fisioterapeutas, meus amigos e minha família. Eles me ajudaram em tudo. Hoje eu estou aqui com a prata, mas é a medalha de prata mais dourada que eu já recebi na minha vida”, comemora.
 
Hoje vice-campeão paralímpico, Mateus relembra a batalha para se reestabelecer a tempo de disputar os Jogos. “Foram oito meses de recuperação. Eu tive que operar, coloquei uma haste de ferro e fiquei fazendo fisioterapia. Eram muitas dores, mas hoje estou aqui. Voltei a treinar gradativamente, em maio, junho e julho, para fazer isso aqui. É impressionante, então agradeço a eles sempre”, diz.
 
Apesar de lamentar ter perdido a oportunidade de competir no mundial no ano passado, o saltador foi perseverante e chegou ao pódio em sua primeira Paralimpíada. “No segundo dia após a minha cirurgia eu já peguei a muleta, porque eu não queria desistir dos meus sonhos. Eu botei na minha cabeça que eu ia voltar, que ali era só um momento. Eu fiquei fora do Campeonato Mundial de Doha, mas foi um momento que Deus guardou para mim e hoje eu descobri o que ele reservou”, afirma.
Ídolo e companheiro de quarto
 
Para o atleta, de apenas 22 anos, o caminho até o pódio passou em grande parte pela convivência com o seu maior ídolo no esporte, o velocista Yohansson Nascimento, campeão e multimedalhista paralímpico. “Eu me espelho muito mesmo nele. Todo mundo aqui o conhece, ele é um atleta excepcional e um amigo, não tenho nem o que falar dele. Eu divido quarto com ele e em nenhum momento ele me deixou desanimar, me deu várias palavras de incentivo e essa medalha de hoje aqui é de todos nós”. 
 
Marcio Rodrigues/MPIX/CPBMarcio Rodrigues/MPIX/CPB
 
Campeão da mesma prova no Parapan de Toronto 2015, Mateus não se surpreendeu com as duas quebras de recorde seguidas. “Isso aqui é uma Paralimpíada, aqui estão os melhores do mundo. Eu fiz a minha melhor marca, cheguei até a bater o recorde mundial, mas o chinês também fez uma boa prova e acabou pegando o primeiro lugar”, lembra. “Eu gostaria que a bandeira do Brasil estivesse no lugar mais alto do pódio, hoje ela estava em segundo, mas na hora eu cantei o hino do meu Brasil. Enquanto a bandeira chinesa subia eu cantava o hino brasileiro porque eu fiz o meu melhor e saio daqui bem satisfeito”.
 
Escolhido pelo atletismo
Por falta de oxigênio na hora do nascimento, Mateus teve uma paralisia cerebral que prejudicou os movimentos do lado direito do seu corpo. Com a mão e a perna direitas sem movimentação total, entrou no esporte aos 13 anos. Experimentou diversas modalidades, como o tiro com arco e o futebol de sete, mas encontrou na modalidade que lhe rendeu sua primeira medalha paralímpica a sua verdadeira vocação. “Passei por vários esportes, mas foi o atletismo que me apaixonou. O que eu gosto de fazer é correr, é saltar. Não fui eu que escolhi o atletismo, foi o atletismo que me escolheu”, afirma.
 
Satisfeito com a medalha no peito e ansioso por uma pausa após a conquista, Mateus já projeta novos confrontos contra o seu algoz na competição. “Tenho certeza que, se eu treinar mais, ainda vou bater o recorde mundial desse chinês aí. Ele que me aguarde, ano que vem tem mundial. Agora vou descansar, vou curtir a família, mas ano que vem vou voltar com mais foco e vou buscar essa medalha de ouro”.
 
Patrocinado com a Bolsa Pódio do Ministério do Esporte, o atleta, que já havia chegado em quarto lugar na prova dos 100m T47, ainda vai em busca de medalha nos 400m T37 no Rio de Janeiro, a partida das 10h30 da próxima sexta-feira (16.09).
 
Pedro Ramos - brasil2016.gov.br
Ascom - Ministério do Esporte 
Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla