Ministério do Esporte Israel Stroh e a prata que pode abrir um novo horizonte no tênis de mesa brasileiro
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE
Ministério do
Esporte

 
Conheça os principais programas e ações do Ministério do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Israel Stroh e a prata que pode abrir um novo horizonte no tênis de mesa brasileiro

Miriam Jeske/ brasil2016.gov.brMiriam Jeske/ brasil2016.gov.br
O primeiro medalhista brasileiro em disputas individuais do tênis de mesa em Jogos Paralímpicos subiu ao pódio nesta segunda-feira (12.09). O paulista Israel Stroh ficou com a prata na disputa masculina da Classe 7. Ele teve pela frente, na mesa 2 do Pavilhão 3 do Riocentro, o atleta número 1 do ranking mundial, o britânico William Bayley, a quem havia derrotado na primeira partida no Rio. Na decisão, a experiência contou e o placar de 3 sets a 1 (11/9, 5/11, 11/9 e 11/4) pendeu para o lado azul, vermelho e branco.
 
Israel acredita que o momento que vive o esporte paralímpico brasileiro pode abrir um novo horizonte para o tênis de mesa "Essa medalha aqui em casa pode fazer com que as pessoas vejam esse esporte com mais seriedade, principalmente para termos seleções mais fortes nos próximos ciclos", comemorou Israel. "O apoio da torcida foi sensacional. Mesmo se ganharmos o ouro lá em Tóquio, a emoção de hoje será maior, pois ter uma medalha com os torcedores a seu favor é incrível. Eles apoiaram e jogaram junto. Foi um estímulo para jogar bem e isso tudo ficará na nossa memória".
 
O futuro projetado ainda com a adrenalina da disputa na mesa é de mais sucessos. "A preparação no ciclo foi ótima. A partir de agora, temos uma sede especial, o Centro Paralímpico Brasileiro. Não há no mundo um centro de treinamento melhor do que nós temos hoje em São Paulo. Se conseguirmos utilizá-lo bem, não só o tênis de mesa, mas todo o esporte paralímpico do Brasil vai subir ainda mais e ficará sempre entre os três ou quatro nas Paralimpíadas, talvez não em Tóquio, mas certamente em 2024", afirma Israel.
 
A iniciação do medalhista no tênis de mesa foi igual a de quase todo mesatenista brasileiro: na escola. "Até obtive resultados razoáveis em competições com atletas não-paralímpicos, mas, com 20 anos, deixei o esporte em segundo plano para fazer a faculdade de Jornalismo. Um pouco antes do início do ciclo olímpico, descobri que minha deficiência se enquadrava no esporte paralímpico. Inicialmente, fiz o teste para o badminton. Mas como já jogava tênis de mesa, meu foco foi direto para o que eu mais gostava e jogava melhor", contou o brasileiro. Em 2015, houve uma reclassificação funcional e Israel deixou de competir na Classe 8 e passou para a 7, a que ele julga mais adequada ao seu tipo de deficiência - o atleta tem parte dos movimentos dos braços e pernas comprometidos por uma paralisia cerebral ocorrida por falta de oxigenação no parto.
 
Miriam Jeske/ brasil2016.gov.brMiriam Jeske/ brasil2016.gov.br
 
Elogios do adversário
Com a medalha de ouro no peito, Willliam Bayley fez muitos elogios a Israel, com a convicção de quem viveu na pele uma derrota em uma final paralímpica em casa. Há quatro anos, com a torcida a seu favor, ele perdeu a decisão dos Jogos de Londres para o alemão Jochen Wollmert. "No tênis de mesa, você nunca sabe se terá uma nova chance. Estar duas vezes na final de uma Paralimpíada é impressionante. Eu tinha de aproveitar essa oportunidade. Para ser honesto, não sei se terei uma como essa de novo", disse Bayley ao fim da partida.
 
O britânico contou que a derrota na estreia o fez estudar muito a técnica de Israel. "Eu aprendi muito na primeira partida contra ele, até porque foi a primeira vez que jogamos um contra o outro. Eu assisti novamente o nosso jogo e vi também os outros jogos dele para ver como ele se portava nos pontos mais importantes. Assim, eu já tinha uma ideia de qual seria a postura dele nos pontos mais decisivos", contou.
 

Gigantes pelo caminho
"O Israel fez um torneio impressionante para chegar à final. O nível do tênis de mesa dele cresceu muitíssimo. Ele teve que jogar com todos os melhores do mundo no lado dele da chave. Eu tenho de ser bem honesto: a chave foi muito mais fácil para mim. Sim, ele perdeu a final, mas essa prata tem um significado impressionante por tudo o que ele fez. Ele tem de estar muito orgulhoso", acrescentou Bayley.
 
O caminho de Israel até a partida desta segunda realmente foi tortuoso. Do outro lado da mesa no Rio sempre havia um atleta melhor posicionado no ranking mundial de sua classe - o brasileiro ocupa a 12ª colocação. Na fase de grupos, Israel se classificou ao ganhar do próprio Bayley (líder do ranking) por 3 x 1 e sofrer uma derrota também por 3 x 1 para o chinês Keli Liao (número 10 do mundo). Nas oitavas, outra pedreira: ele passou pelo ucraniano Mykhaylo Popov, terceiro melhor da lista. Na partida seguinte, o derrotado foi o também ucraniano Maxym Nikolenko, vice-líder do ranking. Na semifinal, vitória sobre o quinto do mundo, o chinês Shuo Yan.
 
"Quando você chega sem ser o favorito, você joga mais solto. Quando passei pela fase de grupos vencendo o número 1 do mundo, ganhei muita confiança. consegui jogar mais firme. A chave não foi favorável, mas segui em frente", explicou Israel.
 
Ao analisar a partida final, o brasileiro explicou que sentiu o ouro escapar em um momento específico. "Eu tinha ganhado bem o segundo set e consegui fazer 9/7 no terceiro. Então, errei uma bola que veio boa para finalizar e isso fez falta. Ele conseguiu virar. No quarto set, senti muito a perda do terceiro e ele aproveitou meus erros", refletiu.
 
Bayley teve a mesma percepção. "Ganhar o terceiro set me deixou com uma confiança absoluta. A tarefa ficou mais fácil porque o Israel também errou bolas mais fáceis. Eu acho que ele ficou um pouco mais instável emocionalmente e eu soube capitalizar isso. Tênis de mesa nesse nível tem muito a ver com 'acreditar'. Se você acredita, você tem mais chances. Se não acredita, o jogo acaba".
 
Chances de bronze
O tênis de mesa brasileiro ainda tem chances de duas medalhas de bronze no individual no Rio. Danielle Rauen, da Classe 9 feminina, enfrentará a polonesa Karolina Pek às 16h45 desta terça-feira (13.09). Duas horas depois, Bruna Alexandre mede forças com a dinamarquesa Sophie Walloe na Classe 10 no Pavilhão 3 do Riocentro. As disputas por equipes masculinas e femininas começam na quarta-feira (14.09).
 
Abelardo Mendes Jr e Gustavo Cunha - brasil2016.gov.br 
Ascom - Ministério do Esporte 
Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla