Ministério do Esporte Daniel Dias conquista a prata nos 100m peito e mantém viva as chances de se tornar o maior medalhista paralímpico da história
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE
Ministério do
Esporte

 
Conheça os principais programas e ações do Ministério do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Daniel Dias conquista a prata nos 100m peito e mantém viva as chances de se tornar o maior medalhista paralímpico da história

O maior medalhista paralímpico brasileiro continua aumentando sua coleção. Daniel Dias chegou ao seu 19º pódio, o quarto nos Jogos Rio 2016, com a prata nos 100 metros peito, classe SB4, disputada na noite de domingo (11.09), no Estádio Aquático do Parque da Barra. Ele ficou atrás apenas do chinês Junsheng Li, em uma das provas mais disputadas da noite. Daniel completou a prova com o tempo de 1m36s13, diferença de 17 centésimos para o campeão. O bronze ficou com o colombiano Moises Fuentes Garcia (1m37s40).
 
Daniel Dias, que agora tem 19 conquistas, e ainda tem mais cinco provas na Paralimpíada. (Foto: HeusiAction/AndreMotta)Daniel Dias, que agora tem 19 conquistas, e ainda tem mais cinco provas na Paralimpíada. (Foto: HeusiAction/AndreMotta)
 
“Eu concretizei meu objetivo inicial de não deixar que o colombiano, o grego e o espanhol concluíssem a primeira volta na frente, mas quando virei, eu vi que o chinês tinha me passado. Eu tentei buscá-lo. A cada respiração eu escutava a torcida gritando e, no final, eu escutava cada vez mais forte. Aí pensei: ‘Eu acho que eu estou chegando’, mas quando eu bati acabou vindo a prata. Não importa, estou extramente feliz, satisfeito com o que eu fiz. Eu dei o meu melhor e ele mereceu. O esporte é isso”, analisou o nadador brasileiro.
 
Daniel não conseguiu largar bem e virou os primeiros 50m na quarta posição. Na volta final, ele deu início a uma reação espetacular, deixando de pé o público presente no Estádio Aquático. “Foi uma estratégia. Meu fim de prova é muito bom, minha volta é muito boa. Quando virei, escutei o grito da torcida, senti que já tinha passado alguns. Eu sairia daqui com uma medalha, nem que tivesse de carregar três pianos".
 
Daniel não largou bem na prova, mas após a virada da piscina consegui melhorar sua performance. (Foto: HeusiAction/AndreMotta)Daniel não largou bem na prova, mas após a virada da piscina consegui melhorar sua performance. (Foto: HeusiAction/AndreMotta)
 
Desconhecido pela maioria dos atletas que disputavam a prova, o chinês Junsheng Li, de apenas 16 anos, ressaltou as dificuldades que oponentes do nível do brasileiro lhe impuseram para chegar ao ouro. “A prova foi muito difícil. Eu estava um pouco preocupado porque a chegada foi lado a lado. Mas estou muito feliz por ter ganhado esta medalha. Eu bati concorrentes muito fortes, como Daniel Dias".
 
Brasileiro consegui a prata, com apenas 17s de diferença para o chinês Junsheng Li. (Foto: HeusiAction/AndreMotta)Brasileiro consegui a prata, com apenas 17s de diferença para o chinês Junsheng Li. (Foto: HeusiAction/AndreMotta)
 
Ovacionado pela torcida do inicio ao fim da prova, Daniel Dias, que é o recordista mundial e paralímpico dos 100 metros peito, agradeceu o apoio do público. “Eu estava concentrado e aí eu comecei a escutar: ‘Daniel, Daniel’. Não tem como não ficar mexido? Eu acompanhei o ritmo balançando minha cabeça, curtindo aquele momento. Pensei: ‘Poxa, eu vou fazer isso por mim e por todos eles’. Eu não tenho dúvidas que todo mundo ficou satisfeito. Foi uma emoção muito grande. Quando eu sai da piscina todos me aplaudiram. Eu até me empolguei e joguei minha touca nem sei para quem”, brincou.
 
A conquista de Daniel mantém viva sua chance de se tornar o maior medalhista da história dos Jogos Paralímpicos. Atualmente, o feito pertence ao nadador australiano Matthew Cowdrey, dono de 23 pódios. O brasileiro, que agora tem 19 conquistas, ainda deve competir em mais cinco provas nos Jogos Rio 2016.
 
Outros resultados
 
Na final dos 100m livre feminino, classe S8, a brasileira Cecilia de Araújo terminou em sexto lugar. Já nos 100m borboleta, classe SB5, os atletas Roberto Rodriguez e Adriano de Lima chegaram em quinto e oitavo lugares, respectivamente. Na prova dos 100m peito SB13, para deficientes visuais, Guilherme Silva alcançou a quinta colocação. Felipe Vila Real ficou em oitavo lugar na disputa dos 200m livre, classe S14, para pessoas com deficiência intelectual.
 
João Paulo Machado - Brasil2016.gov.br
Ascom - Ministério do Esporte 
Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla