Ministério do Esporte O voo de Ricardo Oliveira para o topo do pódio: brasileiro é ouro no salto em distância
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE
Ministério do
Esporte

 
Conheça os principais programas e ações do Ministério do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

O voo de Ricardo Oliveira para o topo do pódio: brasileiro é ouro no salto em distância

O nome de Ricardo Oliveira foi mais uma vez anunciado no Engenhão. O público vibrou e o atleta se encheu de energia. Era a sexta e última tentativa na final do salto em distância da classe F11 (deficientes visuais) nesta quinta-feira (08.09), primeiro dia de competições de atletismo nos Jogos Paralímpicos Rio 2016. Ele não sabia, mas naquele momento Ricardo tinha 6.43m, enquanto o atual campeão mundial e recordista, o norte-americano Lex Gillette, estava com o ouro no peito por um centímetro (6.44m). Era preciso saltar como nunca. E Ricardo voou para o lugar mais alto do pódio. Saltou 6.52m para garantir o primeiro ouro do Brasil na competição.
 
Ricardo Oliveira voa para o ouro: na última tentativa, brasileiro alcançou a marca de 6.52m e conquistou o título paralímpico no Engenhão. (Foto: André Motta/Brasil2016.gov.br)Ricardo Oliveira voa para o ouro: na última tentativa, brasileiro alcançou a marca de 6.52m e conquistou o título paralímpico no Engenhão. (Foto: André Motta/Brasil2016.gov.br)
 
“Acreditei que foi um bom salto a partir do momento que eu fiz a fase de voo. Geralmente, eu conto 1 e fecho a fase, e nesse último salto deu tempo de contar 1 e meio. Quando eu finalizei o salto eu senti que era o ouro se eu não tivesse queimado”, contou.  “Estou muito emocionado, um momento que vou levar para o resto da minha vida. É algo incomparável”, resumiu.
 
A sede de vitória era grande e Ricardo queria garantir logo um bom salto. Ele queimou o primeiro e aquilo o incomodou. “Fiquei mais pilhado e pensei: ‘agora não vou errar mais nenhum’. E fui para cima”, contou. Na segunda tentativa, conseguiu 6.41m, a melhor marcada validada da carreira. Até o quarto salto, ele liderava a prova. Na quinta oportunidade, Lex Gillette saltou 6.44m e Ricardo fez 6.43m logo depois. Mas o brasileiro contou que não sabia esses números.
 
"Eu não me preocupo com os adversários, meus guias são orientados a isso. Concentro eu, meu guia e a prova.  Meu técnico (Everaldo Braz) disse: ‘Ricardo, você ficou em segundo’. Ele não falou ‘ele saltou x’. Ele disse: ‘Ricardo, você está a um centímetro de diferença’, mas não falou número nem nome, porque aí eu me concentro e coloco em prática o que eu vim para fazer”, explicou.
 
No salto em distância para os cegos, o silêncio é importante porque os atletas são orientados na execução do movimento. Mas assim que Ricardo fez o sexto salto, o público explodiu. “Fiquei muito emocionado, agradeço a todos que torceram por mim, me ajudou muito e me deixou com aquela pegada de brasileiro”, afirmou o atleta, que ficou totalmente cego na adolescência em decorrência da doença de Stargardt.
 
Lex Gillette ficou com a quarta prata paralímpica consecutiva da carreira no salto em distância com 6.44m. O bronze foi para o ucraniano Ruslan Katyshev (6.29m).
 
Aos 34 anos, Ricardo está apenas em sua segunda grande competição. Estreou no Mundial de Doha, em 2015, e ficou em quarto. O “quase” nos Emirados Árabes Unidos deu ainda mais estímulo para o Rio 2016. O sul-mato-grossense de Três Lagoas ainda vai disputar os 100m T11 neste sábado (10.09) e promete dar trabalho aos oponentes. Mas a maior expectativa da família a partir de agora não está em cima dele.
 
Com a bandeira do Brasil, Ricardo comemora o primeiro ouro paralímpico da carreira. (Foto:André Motta/Brasil2016.gov.br)Com a bandeira do Brasil, Ricardo comemora o primeiro ouro paralímpico da carreira. (Foto:André Motta/Brasil2016.gov.br)
 
Irmãos dourados?
 
O brasileiro tem duas irmãs que também são deficientes visuais. Uma delas divide com Ricardo a paixão pelo esporte. Atual campeã mundial na mesma classe do feminino, Silvânia Costa é a caçula e vai competir no dia 16 de setembro.
 
“Eu sempre quis ter um irmão, e a Silvânia, por ser a caçula e estar sempre do meu lado, preencheu esse espaço sem dificuldade. Somos muitos unidos, até no material de esporte. Eu comecei primeiro, chamei a Silvânia, ela foi melhorando e um foi incentivando o outro. A gente chegou aonde chegou através de superação e confiança”, contou.
 
Confiança não falta de que o próximo ouro paralímpico da família está próximo. Mas o primeiro já está garantido: o menino que, por causa da deficiência, viveu por tanto tempo isolado, sem querer sair de casa, viu no esporte a libertação e um estímulo para ir cada vez mais longe. Talvez não imaginasse que o voo mais alto seria tão perto de casa.
 
Carol Delmazo e Vagner Vargas, Brasil2016.gov.br
Ascom - Ministério do Esporte
Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla