Ministério do Esporte Com bagagens estratégicas, atletas brasileiros chegam ao Galeão para o Rio 2016
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE
Ministério do
Esporte

 
Conheça os principais programas e ações do Ministério do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Com bagagens estratégicas, atletas brasileiros chegam ao Galeão para o Rio 2016

Cezar Loureiro/CPBCezar Loureiro/CPB
As bagagens dos atletas brasileiros que desembarcaram neste domingo (04.09) no Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão), no Rio de Janeiro, vieram pesadas. Mas não são os quilos referentes a roupas e acessórios para treino e competição. Nas malas e mochilas, vieram elementos que vão ser fundamentais para fazer dos Jogos Paralímpicos Rio 2016 um evento especial para o público e uma competição produtiva em termos de resultados para o país anfitrião, que visa ao quinto lugar no quadro geral de medalhas.
 
“Trago um coração cheio de vontade de vencer, muito suor, muita lágrima ao longo desse ciclo e a certeza de que vou fazer valer a pena ter chegado até aqui”, disse Terezinha Guilhermina, atual campeã paralímpica nos 100m e 200m e recordista mundial nos 100m e 400m na classe T11 (deficientes visuais). Ela chegou ao Rio com os cabelos azuis e promete mais cores ao longo da competição de atletismo.
 
Verônica Hipólito, campeã mundial nos 200m rasos e prata nos 100m da classe T38 (paralisados cerebrais) em Lyon 2013, chegou com excesso de bagagem. “Trago muita, muita, muita energia positiva e força, que os outros me deram e me fizeram ver que eu tenho muita. Claro que também trago muita comida. Desculpa, nutricionista!”, brincou.
 
“Trago a esperança de mostrar, nos Jogos Rio 2016, que o impossível não existe. O verdadeiro é aquele que não enxerga o quanto é capaz”, acrescentou Silvânia Costa, atual recordista mundial e campeã mundial no salto em distância na classe F11 (deficientes visuais).
 
Cezar Loureiro/CPBCezar Loureiro/CPB
 
Experiência
O atual campeão paralímpico na classe BC2 da bocha, Maciel Santos, vem acumulando a bagagem para o Rio 2016 há duas décadas. “Eu trouxe o conhecimento dos atletas. Jogo bocha há 20 anos, conheço bastante gente, vendo jogos e disputando contra eles. Sem dúvidas a experiência conta muito para, na hora da decisão, estar bem focado. A gente está vindo preparado para fazer o melhor possível na nossa casa e trazer o melhor espetáculo do mundo”, afirmou.
 
Ricardinho, ala da seleção brasileira de futebol de 5, trouxe algo mais além do violão para passar o tempo com os colegas. "É uma bagagem que eu tenho como atleta: sei como funciona esse tipo de competição, é tiro curo, não para vacilar. Fizemos tudo da melhor forma, estamos preparados para tentar mais uma medalha de ouro", disse o atleta, que esteve presente em dois dos três títulos paralímpicos da equipe.
 
Dono de 15 medalhas em Jogos, sendo 10 de ouro, o nadador Daniel Dias contou que a vontade de divertir é um dos elementos principais de sua bagagem. "Claro que com responsabilidade, mas temos que fazer isso com alegria. É o que eu trago das Paralimpíadas que eu participei. Mas também vejo que aqui vai ser diferente de tudo. Vai ser espetacular", disse
 
Bagagens que ficam
 
Os atletas também pretendem deixar algumas bagagens no Rio e, se possível, fazê-las circular por todo o país. “Vai ficar uma mentalidade mais inclusiva para todos. Independentemente de ter alguma limitação, somos capazes de fazer as coisas tanto quanto qualquer outra pessoa, pode ser de uma forma um pouco diferente, mas tão bem quanto. Somos capazes de sonhar, de realizar sonhos e motivar pessoas a fazer o mesmo”, disse Terezinha Guilhermina.
 
“Muitas vezes, as pessoas têm alguma deficiência e ficam só dentro de casa, mas com a chegada do esporte paralímpico na vida das pessoas, tudo isso muda. Queremos deixar essa mensagem”, completou Dirceu Pinto, atleta da bocha na classe BC4 e  atual bicampeão paralímpico no individual e nos pares.
 
Para Ricardinho, ficarão para a sociedade brasileira novas impressões sobre os deficientes. "Quem for acompanhar os Jogos vai se impressionar, vai ver que o esporte paralímpico é alto rendimento, vai sair com outra visão sobre os deficientes de forma geral. Muita gente pensa que é aquela coisa do coitadinho, mas quem assistir ao esporte paralímpico vai perceber que é totalmente o contrário. E vai se surpreender."
 
Vagner Vargas e Carol Delmazo – brasil2016.gov.br
Ascom - Ministério do Esporte
Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla