Ministério do Esporte Release Geral
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE
Ministério do
Esporte

Organizado pelo Comitê Intertribal Indígena, com apoio do Ministério do Esporte, os Jogos dos Povos Indígenas têm o seguinte mote: “O importante não é competir, e sim, celebrar”. A proposta é recente, já que a primeira edição dos jogos ocorreu em 1996, e tem como objetivo a integração das diferentes tribos, assim como o resgate e a celebração dessas culturas tradicionais.


Informações: (61) 3217-1614 E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Release Geral

Entre os dias 8 e 16 de novembro, a cidade de Cuiabá se transformará na capital indígena das Américas. No Jardim Botânico, região do Sucuri, a 15 minutos do centro, estarão reunidos cerca de 1,6 mil representantes indígenas de 48 etnias brasileiras, entre homens, mulheres, jovens e sábios, para a 12ª edição dos Jogos dos Povos Indígenas. Também se espera a presença de representações de 18 países amigos.

Organizados pelo Comitê Intertribal Memória e Ciência Indígena (ITC) e idealizados como uma iniciativa indígena, os Jogos são patrocinados pelo Ministério do Esporte e, neste ano, contam com o envolvimento dos ministérios do Desenvolvimento Agrário, da Cultura, da Justiça e da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, além de Infraero, Universidade Federal do Mato Grosso, governo do Mato Grosso e prefeitura de Cuiabá.

Criados em 1996, com apoio do então ministro do Esporte, Pelé, os Jogos dos Povos Indígenas têm o seguinte lema: “O importante não é competir, sim celebrar”.

Dois aspectos inéditos deverão ocorrer paralelamente aos jogos tradicionais, por sugestão dos coordenadores indígenas do ITC. O primeiro é a realização da 1ª Feira Nacional de Produtos Agrícolas Tradicionais Indígenas, com apoio do Ministério do Desenvolvimento Agrário, em que acontecerá a Arca das Letras, com leitura de histórias relacionadas à alimentação e ao respeito à Mãe Terra, além de intercâmbio de sementes tradicionais como mensagem de soberania alimentar. A outra manifestação inédita será o lançamento da 1ª edição dos Jogos Mundiais Indígenas, após três dias de debates – de 11 a 13 de novembro –, com a instalação de uma comissão de organização e a indicação da sede no Brasil em 2015. Três cidades já demonstraram interesse em receber os Jogos Mundiais: Rio de Janeiro, Palmas e São Paulo.

Os Jogos dos Povos Indígenas promovem a celebração de uma Olimpíada Verde, focada no binômio homem/natureza, e a integração internacional indígena. Países em que se fala o idioma francês, como Guiana Francesa; o espanhol, como Argentina, Bolívia, Colômbia, Equador, Chile, Costa Rica, Venezuela, Panamá, Guatemala, Nicarágua, Peru, México e Paraguai; o inglês, como Canadá e Estados Unidos; e até um representante europeu, a Noruega, estarão presentes.

A abertura tradicional indígena será feita durante o pôr-do-sol, no dia 8 de novembro. Estarão presentes todos os participantes, em uma cerimônia espiritual de Acendimento do Fogo Sagrado, promovida pelos líderes espirituais indígenas.

No dia 9, haverá a abertura oficial, com a presença de autoridades federais, estaduais e municipais, além de embaixadas de países amigos. A solenidade será às 17h, com apresentação das delegações indígenas e o acendimento da Pira Oficial da 12ª edição dos Jogos dos Povos Indígenas.

A realização dessa atividade do esporte tradicional indígena brasileiro foi concebida para durar uma semana, em uma arena construída para recepcionar diariamente cerca de 8 mil pessoas, desenhada em função de um conceito tradição/tecnologia. A ação inclui um leque de oportunidades e atividades culturais, igualdade racial, tecnologia da informação, troca de saberes por meio de sementes e um legado de relacionamento para o bem comum entre índios e não-índios.

Fonte: Ascom ITC

Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla